Contact Us

Use the form on the right to contact us.

You can edit the text in this area, and change where the contact form on the right submits to, by entering edit mode using the modes on the bottom right. 

           

123 Street Avenue, City Town, 99999

(123) 555-6789

email@address.com

 

You can set your address, phone number, email and site description in the settings tab.
Link to read me page with more information.

Maio

Números

Maio

Sara Carvalho

Em Maio:

“Quem em Maio não merenda”, diz a sabedoria popular, “aos finados se encomenda”. As novidades deste mês nos Jogos Florais não matam a fome, e muito menos desencomendam o que quer que seja, mas não perdem nada em espreitá-las. 


Da gavetinha dos inéditos, por exemplo, tiramos um poema de Jorge Sousa Braga sobre o baixo valor de mercado das pessoas.

E contamos ainda com a pré-publicação de dois poemas do livro ping-pong de Ramiro S. Osório e Sebastião Belfort Cerqueira.


Na entrevista, Wendy Cope fala-nos sobre poemas divertidos e poemas felizes, rimas que não funcionam e formas desajustadas ao conteúdo, entre muitas outras coisas.  


Em Poemas de agora, João Dionísio analisa “Vem, noite coisíssima e pindérica!” e explica de que modo Golgona Anghel se constitui como o nome de chegada de uma linhagem ilustre fundada por Álvaro de Campos e seguida por Mário de Cesariny. Maria Sequeira Mendes escreve sobre “Reading Scheme”, de Wendy Cope, e faz notar que saber palavras não chega para que as crianças compreendam o mundo dos adultos. Sara Campino escolhe um poema de Ana Hatherly, “Num Hotel de Cinco Estrelas – II”, alertando para as “simetrias imperfeitas” em que se alicerça o seu sentido.


Em Poemas de antes, Rita Faria continua a analisar os Poetas do Cancioneiro. Desta vez escreve sobre "Antre tamanhas mudanças", uma cantiga de Bernardim Ribeiro, na qual encontra uma reflexão sobre a velhice, a aversão à mudança e a preferência por uma “dor segura”.


Claudia J. Fischer e Vera San Payo de Lemos oferecem-nos a tradução de “No Egipto”, um poema que Paul Celan enviou a Ingeborg Bachmann, em Maio de 1948, na primeira carta entre ambos, e Rita Faria traduz a cantiga analisada, “Antre tamanhas mudanças”, de Bernardim Ribeiro.


Não se esqueça de espreitar o poema da Wendy Cope que a Marta Brito traduziu para emoji.

Por fim, este mês oferece-nos curiosidades sobre Eça de Queirós, Doris Lessing, Julio Cortázar e Oscar Wilde.