Contact Us

Use the form on the right to contact us.

You can edit the text in this area, and change where the contact form on the right submits to, by entering edit mode using the modes on the bottom right. 

           

123 Street Avenue, City Town, 99999

(123) 555-6789

email@address.com

 

You can set your address, phone number, email and site description in the settings tab.
Link to read me page with more information.

Antre tamanhas mudanças

Poemas de antes

Antre tamanhas mudanças

Maria S. Mendes

 

Antre tamanhas mudanças

 

Antre tamanhas mudanças,

que cousa terei segura?

Duvidosas esperanças,

Tão certa desaventura...

 

Venham estes desenganos

Do meu longo engano, e vão,

que já o tempo e os anos

outros cuidados me dão.

Já não sou para mudanças,

mais quero ũador segura:

vá crê-las vãs esperanças

quem não sabe o qu’aventura!

 

Bernardim Ribeiro, “Antre tamanhas mudanças”, Antologia do Cancioneiro Geral, selecção e notas de Maria Ema Tarracha Ferreira. Lisboa: Ulisseia, s/d. 

Este poema não devia ter sido esquecido porque é sobre envelhecer, e isso acontece-nos a todos. Por mais que queiramos manter a capa de um qualquer optimismo ou felicidade, o absurdo da velhice acaba por nos engolir sofregamente a vida, e não é só não conseguir ler legendas sem óculos ou adormecer um pouco mais tarde e acordar no dia seguinte como se tivéssemos sido atropelados – é também isto que Bernardim descreve, preferir a “dor segura” à irresponsabilidade da aventura. Os jovens querem ser jovens e acreditar em tropelias? O problema é deles, porque a vida não engana o velho poeta, ele que já consegue, até, responder às próprias perguntas com que a vida o interroga: que coisa poderá ter segura perante tanta mudança? Apenas a “desaventura”, já que a esperança é ilusão. A forma do poema, uma cantiga, que tipicamente começa por um mote (neste caso, de quatro versos) e se estende por uma glosa de oito versos de sete sílabas, dá relevo à austeridade verbal a que o poeta se remete – algumas cantigas contemplam glosas de dez versos, mas Bernardim, conciso, não viu necessidade de prolongar a filosofia por mais palavras.

Sendo sobre a velhice, o poema é também sobre a juventude, como se acabou de afirmar. Há uma contraposição interessante entre o poeta “desenganado”, ciente, a quem o tempo e os anos “dão outros cuidados” e os que, iludidos, arriscam ainda a esperança. O curioso é que o poeta parece quase desprezar esta irresponsabilidade pela indiferença que revela – os outros que façam isso, eu quero lá saber, eu tenho outras coisas com que me preocupar, nomeadamente com o pleonasmo “tempo e anos”, que impõem a certeza da “dor segura” e causam um certo tormento mental – “outros cuidados me dão”. 

Assim, tal como noutras composições de Bernardim, este é um poema em que o poeta vive em e para si próprio, preocupa-se com os seus cuidados unicamente, e ao fazê-lo, em vez de cair num discurso egocêntrico que a ninguém interessaria, verbaliza uma consciência humanística e humana. A cabeça do homem, de qualquer homem, é o centro do universo – o mundo muda, mas ela fica. Nada se passa fora da mente e nada se pode passar fora dela, como bem demonstrará Descartes, cem anos mais tarde, ao fazer depender a própria existência de Deus do hoje amplamente conhecido cogito, ergo sum. E Bernardim, velho, sábio, impaciente e indiferente, já sabia disto.

No que toca à problemática do envelhecer, há um outro poema que penso ser também muito útil e que reza “I grow old, I shall wear the bottoms of my trousers rolled”. É o que acontece quando chegamos à idade em que certas coisas já não podem possivelmente incomodar-nos – nem calças enroladas nem a mudança do mundo e a má fortuna, como afirma Bernardim. Os novos ainda têm tanto a arriscar – e tanto a perder. Mas os velhos, não. O país é mesmo para eles. 

Rita Faria


Rita Faria é professora na Universidade Católica Portuguesa, não sabe fazer mais nada sem ser ler e escrever e não quer fazer mais nada sem ser ler e escrever. Fora isto, gosta de filmes de terror, vampiros, fantasmas e zombiesem geral. E considera que o português é a língua mais engraçada do mundo.