Contact Us

Use the form on the right to contact us.

You can edit the text in this area, and change where the contact form on the right submits to, by entering edit mode using the modes on the bottom right. 

         

123 Street Avenue, City Town, 99999

(123) 555-6789

email@address.com

 

You can set your address, phone number, email and site description in the settings tab.
Link to read me page with more information.

Março

Números

Março

joana meirim

Em Março,

depois do número musculado que saiu no Natal, regressamos com uma viagem até Vigo para uma entrevista à poetisa galega Chus Pato, que nos disse como sem poesia e sem poetas ninguém poderia falar além de “línguas instrumentais”. A par da entrevista, Chus Pato ofereceu-nos o belo poema inédito que menciona nesta conversa.


Na secção de Traduções, Ana Luísa Amaral dá a ler em língua portuguesa dois sonetos de Shakespeare e um poema do poeta chileno Nicanor Parra.


Na Pedra-de-Toque, recordamos José Blanc de Portugal e um ensaio singular que escreveu sobre um soneto de Jorge de Sena, no ano em que se celebra o centenário deste último. 


Em Poemas de Agora, João Dionísio começa uma série de análises sobre o local, à procura de “pontos de referência” e com um interesse particular pela geografia, sendo a sua primeira paragem o último poema de Fuck the Polis, de João Miguel Fernandes Jorge.


Já em Poemas de Antes, Clara Rocha recorda o efeito sortílego do poema “Le ciel est par-dessus le toit”, de Paul Verlaine.  Teresa Bartolomei analisa um poema – que também traduz – do “morguenático” Gottfried Benn, dando início a uma série de análises sobre poemas florais. Em “Pequeno áster”, a poesia “é a flor que ao morto restitui sentido”.


Rita Faria regressa à tradução e análise dos poetas do Cancioneiro Geral. Desta vez traduz e comenta o poema “Dyz-m’a myn meu coraçã”, de Nuno Pereyra, chamando a atenção para a habilidade do poeta a dialogar com o seu coração, como quem dialoga com a sua amada.


Nos Inéditos, para além do já referido poema de Chus Pato, António Neves Claro ofereceu-nos dois poemas bucólicos: “Caminho” e “Aves de Arribação”.


Na Marginalia deste mês, revelamos algumas curiosidades sobre Antoine de Saint-Exupéry, Murasaki Shikibi, Lygia Fagundes Telles, Alda Merini e Robert Louis Stevenson.

.collection-type-blog .pagination { display: none; }