Contact Us

Use the form on the right to contact us.

You can edit the text in this area, and change where the contact form on the right submits to, by entering edit mode using the modes on the bottom right. 

           

123 Street Avenue, City Town, 99999

(123) 555-6789

email@address.com

 

You can set your address, phone number, email and site description in the settings tab.
Link to read me page with more information.

As Aves Colectivas da Margem Sul

Poemas de agora

As Aves Colectivas da Margem Sul

Maria S. Mendes

 

As Aves Colectivas da Margem Sul

 

As Aves Colectivas da margem sul

atravessam as manhãs carregadas de febre

nos olhos e de um sentido positivo para as horas

 

Ausentes do Tejo durante gerações 

têm no bando a sua fraqueza

contra o grande planeamento directivo

 

São aves metalúrgicas sobre chaminés

conservadas numa hecatombe sedimentada

na vastidão individual dos condomínios

 

E cá em baixo outros bandos organizados

numa espécie de turbulência 

esperam essa queda anunciada

 

As aves colectivas da margem sul 

tinham um estatuto especial de proteção

antes da penúltima escalada sulfúrea

 

Eram aves de território livre

que resistiam à propriedade 

através do conceito de espécie

 

E agora maximizadas e consecutivas

concentradas numa ordem intensa

transportam o índice e as flutuações

 

São aves de uma consequência equívoca

afundadas em bancos de ar poluído

e diariamente isoladas do seu canto

 

Tiago Patrício, “As Aves Colectivas da Margem Sul”, A Memória das Aves. Edição de autor com o apoio da Câmara Municipal de Benavente 2013 (Prémio de poesia Natércia Freire 2011). 

 

Gosto deste poema porque constrói uma cadeia de paralelismos inéditos e eficazes enraizando um fenómeno social no seu contexto geográfico e histórico sem pretensões explicativas, mas com uma singular lucidez crítica e antropológica e uma intuição poética que resgata o processo em questão da sua reificação, restituindo-lhe cariz de vivência humana. 

Ao descrever o pendularismo quotidiano de massas de trabalhadores da Margem Sul para Lisboa como a deslocação migratória de bandos de aves, o poeta ornitólogo desta recolha de líricas todas dedicadas ao homem enquanto pássaro (ao pássaro enquanto homem, numa linha mozartiana de sabedoria auto-irónica e melancólica), produz um “efeito de estranhamento” (V-effekt) que ilumina a condição de objecto anónimo a que esta prática social destitui o homem-massa dos grandes aglomerados urbanos do séc. XXI e ao mesmo tempo indica um rumo de possível recuperação da própria subjectividade pessoal e histórica, no reencontro com a dimensão de pertença natural e comunitária.  

Não é o facto de serem colectivos que torna massas anónimas os homens-pássaros, mas o terem perdido a sua consciência de ser “bando”, o terem perdido o seu “conceito de espécie” como “resistência à propriedade” (ao individualismo impotente que se cristaliza num andar de propriedade, na “vastidão” privada “dos condomínios”, que se espalham na Margem Sul substituindo a paisagem industrial tradicional, eventualmente musealizando “as chaminés”: os seus rastos  aproveitáveis  na conservação ornamental do design arquitectónico). Há uma história atrás, era a “fraqueza” natural e histórica do “bando”, irredutível à maximização e à consecutividade funcional da lei económica (irredutível à “febre” da pressa, da pressão e da “concentração das horas”, contadas e calculadas na base da “ordem intensa” de “índices” e “flutuações”), que protegia as aves da “hecatombe sedimentada do grande planeamento directivo”, e as mantinha no “território livre” da insubordinação política à absolutização da lei económica do lucro.

Já lá vão os tempos em que a Margem Sul era o ninho livre da luta proletária contra o capitalismo. Hoje os colectivos já não são políticos mas ferroviários. A questão da qualidade dos transportes urbanos prima sobre a preocupação com a justiça social. A “queda anunciada” dos bandos “metalúrgicos” é providenciada e “esperada por bandos organizados, cá em baixo”, de gente que não gosta de voos, de céus abertos e “consequências equívocas”. O “ar é poluído”. As aves são “diariamente isoladas do seu canto”. 

Contudo, será possível que as “aves ausentes” do Tejo durante gerações voltem um dia a “atravessar as manhãs”, que um “estatuto especial de proteção” seja reinstituído, e bandos fracos e livres de aves colectivas, mas que não são massa, voltem a encher o céu? 

Para que isso aconteça, será preciso voltar a olhar atentamente e calmamente para o Tejo, para o céu, sem “sentido positivo para as horas”, sem "febre” de ordem intensa” de condições “maximizadas e consecutivas. Será preciso sair das vazias vastidões individuais da propriedade e da solidão e reencontrar o próprio “canto diariamente” negado. É o que faz o poeta e quem o lê, num acto “sulfureamente” político.

Teresa Bartolomei


Teresa Bartolomei: Italiana, casou com um português por causa de Alemanha maior, o que a levou ao limite “onde a terra se acaba e o mar começa”. Gostando de limites porque dão forma, procura testá-los nos textos em que a palavra não é meio mas fim, dentro do qual o ruído se acaba e o sentido começa.